Como adaptar e transformar a educação inclusiva aos dias de hoje?

Em nossa atual realidade, nos deparamos com desafios ainda maiores do que o comum, a educação passa por uma turbulência de ambas as partes, tanto alunos quanto professores estão se dedicando para alcançar o objetivo de aprender e estudar. Porem nem todo aluno tem internet e amparo, mas principalmente, nem todo aluno escuta, fala, enxerga, se locomove, mas, esse aluno também tem objetivos educacionais, ele também que aprender e compreender como os demais, mas sem seu segundo professor, interprete e amigos, como ele conseguirá facilitar seus estudos? Como o professor pode auxiliar? Como a família pode amparar?

A nossa força de vontade é excepcional para que possamos chegar em algum lugar, os alunos especiais possuem ainda mais essa garra e vontade, graças as mudanças constantes em leis, orientações e práticas pedagógicas eles conquistaram o direito de frequentar o ensino regular, e com essa experiência que seria para convivência muitas vezes, nesse momento ela se tornou fundamental, pois esse contato que já tiveram com a sala de aula faz com que consigam ter uma noção de como realizar as atividades, como questionar e com aprender sozinho de certa forma, sendo assim esse aluno conseguira compreender o que está acontecendo e como ele poderá facilitar seu processo de ensino.

As atividades pedagógicas neste momento exigem um pouco mais de elaboração, como vou repassar os conteúdos para um aluno que até certo momento tinha o meu auxílio e do professor de forma presente? A criatividade e flexibilidade dos professores são postas a prova para que consigam articular atividades para esses alunos, trabalhos manuais, desenhos, mapas mentais são ferramentas de excelentes resultados, pois são fáceis de compreender e são muito articuláveis, podendo atender a toda e qualquer especificidade de acordo com a exigência ou situação que se faz necessária. E temos também a disposição meios de tecnologias para a nossa facilidade de comunicação, por vídeos, imagens e áudios, podemos amparar os nossos alunos e sanar suas dúvidas.

Mas nosso principal meio de amparo e comunicação também é a família, pois será eles que auxiliaram o aluno a desenvolver as tarefas de modo presencial, sendo assim conversas, matérias e informações também podem ser mandadas a eles para que consigam acompanhar o professor e compreender as proposta feita por ele, para que não haja desentendimentos e possíveis complicações, a educação nunca precisou tanto da presença e disposição dos pais quanto agora, então devemos de forma conjunta zelar pela educação dos nossos educandos e filhos.

Nathalia Helen Dahmer
Turma 301

Professora Francielle de Souza